Coreia do Sul amplia sistema de emergência de usinas nucleares contra ciberataques

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014 09:21 BRST
 

Por Meeyoung Cho

SEUL (Reuters) - A operadora nuclear da Coreia do Sul e o Ministério da Energia do país vão manter equipes de emergência de prontidão até o fim do ano em caso de qualquer ataque ciberataque contra as usinas nucleares, após ameaça de hackers.

A Korea Hydro & Nuclear Power, unidade da fornecedora de energia estatal Korea Electric Power Corp, disse na segunda-feira que seus sistemas de computadores tinham sido hackeados, mas que apenas dados não críticos foram roubados e que a operação das usinas não estava em risco.

A empresa e o ministério montaram equipes de emergência na quarta-feira depois que um hacker cobrou o fechamento de três reatores até quinta-feira, ameaçando, em mensagens no Twitter, "destruição" se seu pedido não fosse atendido.

"Apesar de o Dia de Natal, que a ameaça cibernética mencionou, ter passado, vamos fazer os máximos esforços contra ameaças cibernéticas ao manter o sistema de emergência até o fim deste ano", informou o Ministério da Energia em comunicado.

A Coreia do Sul está buscando a cooperação das autoridades chinesas na investigação sobre os ataques cibernéticos contra a operadora de usinas nuclear do país, após ter rastreado vários endereços de Internet envolvido no incidente localizados em uma cidade chinesa perto da Coreia do Norte, disse uma autoridade local na quarta-feira.

A autoridade que participa da investigação disse que sua equipe não descartou o envolvimento da Coreia do Norte no ataque, mas disse que também não há indicação para acreditar que o país vizinho estava envolvido.

A Coreia do Norte permanece tecnicamente em guerra com o Sul.

 
Reatores Kori 1 e 2 da estatal Korea Electric Power Corp (KEPCO) em Ulsan. 03/09/2013 REUTERS/Lee Jae-Won