Dólar sobe 13% ante real em 2014, apesar de BC; pressão deve continuar em 2015

terça-feira, 30 de dezembro de 2014 17:52 BRST
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - Apesar da forte e constante atuação do Banco Central, o dólar fechou 2014 em alta de quase 13 por cento ante o real e deve continuar subindo no ano que vem, com a expectativa de aumento dos juros nos Estados Unidos e redução gradual da presença da autoridade monetária brasileira no mercado cambial.

Foi o quarto ano seguido de valorização da moeda norte-americana, que acumulou alta de 60 por cento ante o real no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff.

Nesta terça-feira, último pregão regular do ano, contudo, o dólar recuou 1,79 por cento, a 2,6587 reais na venda, em meio a ajustes após a escalada recente e ao baixo volume de negócios.

Em dezembro, a moeda norte-americana avançou 3,39 por cento, no quarto mês seguido de alta, e no trimestre acumulou alta de 8,61 por cento. No ano, o avanço foi de 12,78 por cento.

A expectativa do mercado é que o dólar mantenha a trajetória de alta em 2015, mesmo com a divisa oscilando perto das máximas em quase dez anos.

O relatório Focus do BC mostrou na segunda-feira que economistas de instituições financeiras passaram a projetar o dólar a 2,80 reais no fim de 2015.

    “Esperamos uma valorização global do dólar, com a perspectiva de alta dos juros nos Estados Unidos. É quase impossível imaginar um cenário em que o real fique imune a isso”, afirmou a estrategista para mercados emergentes do banco Jefferies em Nova York, Siobhan Morden.

Os últimos indicadores econômicos dos EUA têm reforçado a percepção de que a recuperação norte-americana segue forte, apesar do fraco crescimento de outras economias importantes, pavimentando o caminho para uma alta dos juros que pode atrair para a maior economia do mundo recursos aplicados em países como o Brasil.   Continuação...