Bovespa recua 3% no ano e mercado espera 2015 difícil

terça-feira, 30 de dezembro de 2014 18:48 BRST
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista fechou o último pregão de 2014 em queda e amargou a segunda desvalorização anual consecutiva, em um cenário de fraqueza econômica e preocupação de investidores com os fundamentos do país.

Para 2015, as estimativas são de mais um ano difícil para o mercado acionário local, com especialistas atrelando qualquer melhora mais consistente da bolsa à implementação de reformas pela equipe econômica do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

Nesta terça-feira, o Ibovespa recuou 1,16 por cento, a 50.007 pontos, com volume financeiro de 4,5 bilhões de reais. Em dezembro, acumulou desvalorização de 8,62 por cento, fechando o quarto trimestre com declínio de 7,6 por cento.

No ano, o principal índice de ações brasileiras recuou 2,91 por cento, após o tombo de 15,5 por cento em 2013. Em dólar, o Ibovespa acumulou perda de 13,7 por cento.

"O mercado está terminando 2014 cansado, com um quadro ruim da economia", resumiu o gestor Joaquim Kokudai, da Effectus Investimentos.

Nem mesmo o forte ingresso de capital externo foi suficiente para impedir a queda anual da bolsa. No ano até 26 de dezembro, dado mais recente disponível, o fluxo de estrangeiros no mercado à vista estava positivo em quase 20 bilhões de reais.

Estrategistas de renda variável consultados recentemente pela Reuters não veem o Ibovespa barato em termos de fundamentos da economia e múltiplos, como preço de ação versus lucro (P/L) das empresas.

A eleição presidencial deste ano agitou os negócios na bolsa, que chegou a acumular valorização de 20 por cento no ano no fechamento de 2 de setembro, diante da expectativa de vitória da oposição na eleição presidencial. O mercado agora espera por medidas que devem ser adotadas pela nova equipe econômica, liderada por Joaquim Levy no Ministério da Fazenda.   Continuação...