Presidente Rouhani pede fim de isolamento do Irã

domingo, 4 de janeiro de 2015 11:52 BRST
 

DUBAI (Reuters) - O presidente iraniano Hassan Rouhani pediu neste domingo por limites à participação do Estado nos negócios e um fim do isolamento internacional de Teerã, para ajudar a resgatar uma economia afetada por sanções, corrupção e má gestão.

Seu apelo em um discurso para 1.500 economistas pareceu criticar a linha dura, que se opõe a seus esforços de livrar um Irã de anos de gestão econômica irregular pela administração anterior de Mahmoud Ahmadinejad.

"Nossa economia não irá prosperar enquanto for monopolizada (pelo governo). A economia deve se livrar do monopólio e ver competição", disse ele. "Ela deve ser liberta da especulação interna, ser transparente, todas as pessoas devem estar cientes das estatísticas. Se pudermos trazer transparência à nossa economia, podemos combater a corrupção".

Ele acrescentou: "Nossa vida política tem mostrado que não podemos ter crescimento sustentável enquanto estivermos isolados."

Rouhani, um pragmático eleito em 2013 com demandas de resolver um impasse nuclear com as potências mundiais e acabar com as sanções paralisantes, disse que gostaria de que algumas reformas econômicas fossem aprovadas por referendo, ao invés de serem aprovadas pelo parlamento, atualmente dominado por conservadores.

Poderosos anti-ocidente da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC), que reportam ao líder supremo, aiatolá Ali Khamenei Khamenei, têm sido cautelosos com as negociações nucleares e alguns presidem empresas cuja influência sobre a economia cresceu durante as sanções.

O pedido de Rouhani está em linha com sua preferência por uma voz pública maior sobre assuntos estratégicos, tradicionalmente investidos em Khamenei.

No mês passado, Rouhani apresentou um "cauteloso, apertado" orçamento em resposta à queda dos preços do petróleo, que caíram para pouco mais de 50 dólares o barril. O orçamento do Irã, que termina em março de 2015, tem com base um preço de 100 dólares o barril.

(Reportagem de Mehrdad Balali)