Eletrobras ficará de fora de leilão de transmissão de 6a-feira

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015 18:06 BRST
 

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO (Reuters) - A Eletrobras, não participará do leilão de transmissão de energia marcado para sexta-feira, o primeiro do ano, optando por esperar por novos certames ao longo deste ano.

"Estamos numa fase de ajuste. Como temos muito interesse nos próximos leilões, vamos aguardar", disse o diretor de Transmissão da estatal federal, José Antônio Muniz Lopes, à Reuters.

O leilão, que deveria ter ocorrido no final do ano passado, foi adiado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) com a retirada de alguns empreendimentos, para reavaliação de condições, depois que leilão anterior teve lotes sem interessados.

A agência manteve a realização desse certame logo para o início de janeiro já que alguns empreendimentos precisam ser licitados mais rapidamente, pois devem estar prontos a tempo de possibilitar o escoamento de energia de novas usinas de geração que já foram licitadas em leilões passados.

O grupo Eletrobras é um dos maiores investidores no setor de transmissão de energia elétrica do país, tendo marcado presença na maioria dos leilões com suas subsidiárias Eletronorte, Furnas, Chesf e Eletrosul.

Para o leilão de sexta-feira, Chesf e Eletronorte tinham a participação restrita à apenas por meio de consórcios em que tivessem participações minoritárias, já que ambas têm grandes atrasos em projetos de transmissão que estão em construção.

O diretor de Engenharia e Construção da Chesf, José Aílton de Lima, disse à Reuters mais cedo que, no caso da Chesf, a decisão por não participar está relacionada justamente ao foco da companhia para entregar de obras atrasadas.

"Nós não vamos porque continuamos com a nossa carteira de projetos muito carregada", disse ele.

Ao todo, serão leiloados quatro lotes de empreendimentos de transmissão no leilão marcado para 10 horas, na BM&FBovespa, em São Paulo. Serão 905 quilômetros de linhas de transmissão a serem licitadas, com investimentos de aproximadamente 1,7 bilhão de reais e receita anual permitida máxima da ordem de 204,3 milhões de reais, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Vence cada lote do leilão o investidor que oferecer o maior desconto ante as receitas anuais máximas permitidas.