Dólar cai mais de 1% ante real com Fed e corte de despesas no Brasil

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015 17:10 BRST
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda de mais de 1 por cento nesta quinta-feira, a 2,67 reais, acompanhando o bom humor externo após o Federal Reserve, banco central norte-americano, tranquilizar os mercados ao reforçar que não tem pressa para elevar os juros.

Os investidores também receberam bem o corte anunciado pelo governo brasileiro nas despesas não obrigatórias até que o Orçamento seja aprovado. Mesmo assim, a percepção é que o dólar deve voltar ao nível de 2,70 reais em breve, uma vez que ainda há muitas incertezas em relação à política fiscal brasileira e à política monetária norte-americana.

A moeda norte-americana recuou 1,15 por cento, a 2,6724 reais na venda, após atingir 2,6617 reais na mínima da sessão. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,7 bilhão de dólares.

"Tivemos fatores positivos nos mercados externo e doméstico. O real teve um dia favorável por todos os lados", resumiu o gerente de operações do Banco Confidence, Felipe Pellegrini, ressaltando, contudo, que o quadro de indefinições significa que a "amanhã é outro dia" para o câmbio.

Na ata da última reunião do Fed, divulgada após o fechamento dos negócios na véspera, o banco central manteve seus planos de começar a elevar os juros ainda neste ano, mas reiterou que pode ser "paciente" ao fazê-lo. No geral, os mercados esperam que as taxas serão elevadas em meados deste ano.

Juros norte-americanos em níveis baixos manteria a atratividade de ativos de outros países, como papéis brasileiros, sustentando a perspectiva de fluxo financeiro positivo.

"A ata do Fomc desfez um pouco a preocupação do mercado... Com um pouco menos de medo de juros mais altos nos Estados Unidos, o dólar tem espaço para cair um pouco aqui", disse o superintendente de câmbio da corretora Tov, Reginaldo Siaca.

Internamente, os mercados receberam bem a decisão do governo brasileiro de limitar as despesas não obrigatórias a 1/18 por mês do valor na lei orçamentária, que ainda precisa ser aprovada no Congresso. Segundo o Ministério do Planejamento, a redução representa corte adicional de 1,9 bilhão de reais ao mês.   Continuação...