EXCLUSIVO-Itaú Unibanco pode elevar provisões para empréstimos por Lava Jato, diz diretor de RI

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015 11:39 BRST
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú Unibanco, maior banco privado do país, pode aumentar as provisões para perdas com inadimplência de empresas em 2015, como resultado dos efeitos do escândalo de corrupção envolvendo as maiores empreiteiras do país e a Petrobras, disse um executivo do banco.

As declarações vêm num momento de crescentes temores do mercado quanto aos desdobramentos das investigações da operação Lava Jato da Polícia Federal, que apura denúncias de formação de cartel, sobrepreço e pagamento de propina em contratos da Petrobras com grandes construtoras do país.

"Pode haver reforço de provisão, se precisar", disse o diretor de Controladoria e de Relações com Investidores do Itaú Unibanco, Marcelo Kopel, em entrevista à Reuters. "Estamos acompanhando os possíveis reflexos disso na cadeia de fornecedores."

Em relatório na quinta-feira, a agência de classificação de risco Fitch afirmou que os processos envolvendo Petrobras e empreiteiras devem pressionar a qualidade dos ativos dos bancos, especialmente os públicos.

Segundo Kopel, porém, a maior parte dos empréstimos do Itaú a empreiteiras são ligados a projetos, e os desembolsos acontecem de forma gradual à medida que eles avançam.

"Não temos bilhões de reais emprestados às holdings", explicou.

No total, as despesas do Itaú com provisões para perdas com calotes devem evoluir em linha com o crescimento da carteira de crédito em 2015, disse Kopel. Isso porque no caso de operações com pessoas físicas, o dispêndio com provisões deve cair, pois os empréstimos têm se concentrado bastante em carteiras de menor risco, como consignado e imobiliário.

No terceiro trimestre de 2014, o Itaú teve lucro líquido acima do previsto pelo mercado, em parte devido à queda do índice de inadimplência e menores despesas com provisões.   Continuação...

 
Pessoas em frente à agência do Itaú no Rio de Janeiro. REUTERS/Sergio Moraes (BRAZIL - Tags: BUSINESS)