Leilão de transmissão tem 2 lotes sem lances, Aneel melhorará retorno a investidor

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015 13:38 BRST
 

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO (Reuters) - O primeiro leilão de transmissão de 2015 teve a espanhola Cymi Holding e CPFL Geração como vencedoras e dois lotes sem interessados que serão incluídos no próximo leilão, em abril, quando as condições para os investidores devem ser melhoradas.

Foram oferecidos quatro lotes para licitação no certame, com um total de 905 quilômetros de linhas de transmissão e investimentos que somariam 1,7 bilhão de reais. O mercado já esperava cautela por parte dos investidores diante das taxas de retorno possíveis na disputa, que não estariam de acordo com o aumento da percepção de risco.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que já estava avaliando readequações para leilões de transmissão futuros, informou que o custo médio ponderado de capital dado pelo WACC deverá ser elevado para o próximo certame, o que pode colaborar para elevação das Receitas Anuais Permitidas (RAP).

“Para o leilão que vamos realizar em abril, certamente, haverá diferenças ... Esse WACC será alterado um pouco para maior. A nossa expectativa é que o WACC seja aumentado, mas o percentual específico nós não temos ainda”, disse o diretor da Aneel Reive Barros, em coletiva de imprensa após o leilão.

Outros temas que estão sendo reavaliados pela Aneel são problemas relacionados ao licenciamento ambiental e tempo necessário para entrega de equipamentos.

No leilão desta sexta-feira, dois lotes -- o F, em Rondônia, e o J, em Goiás -- não receberam lances. O diretor da Aneel André Pepitone disse que isso não tem relação com o valor da RAP estabelecida pela agência para a competição.

“Entendemos que (as RAPs) têm um valor adequado ... são questões de equipamentos.  Há uma questão de prazos envolvidos, de fornecimento pela indústria, e talvez isso aí tenha afetado esses dois lotes. É o que a gente vai reavaliar para voltar com esses dois lotes já no leilão de abril”, disse ele, na coletiva de imprensa.

O lote F vai permitir o escoamento da expansão das usinas do rio Madeira para as regiões Sudeste e Centro-Oeste. Já o lote J é importante para o controle de tensão de forma a estabilizar a interligação Norte-Sul, reforçando o sistema para o deslocamento de energia da hidrelétrica Belo Monte.   Continuação...