Lucro do JP Morgan cai por custos legais, Dimon diz que bancos estão sob ataque

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015 14:05 BRST
 

Por Tanya Agrawal e David Henry

(Reuters) - O JPMorgan Chase & Co, maior banco dos Estados Unidos em ativos, registrou queda de 6,6 por cento no lucro trimestral, atingido por custos legais de mais de 1 bilhão de dólares na esteira de investigações do governo, levando o presidente-executivo Jamie Dimon a afirmar que bancos estavam "sob ataque".

O JPMorgan concordou em novembro a pagar 1 bilhão de dólares em multas por sua conduta nos mercados cambiais. Investigações sobre esses mercados e outras áreas de negócios do banco, incluindo a suposta manipulação das taxas de juro Libor, continuam.

"Os bancos estão sob ataque", disse Dimon em teleconferência com jornalistas nesta quarta-feira, respondendo a uma pergunta sobre os custos legais do banco.

"Temos cinco ou seis reguladores chegando até nós em todas as questões."

"Obviamente, as empresas cometem erros. Nós tentamos resolvê-los, tentamos corrigi-los, nós admitimos isso", disse ele.

No entanto, enquanto as despesas judiciais subiram a 1,1 bilhão de dólares no quarto trimestre, ante 847 milhões de dólares um ano antes, os custos legais totais de 2,9 bilhões de dólares no ano ficaram bem abaixo dos 11,1 bilhões de dólares registrados em 2013.

Para além dos custos legais, o lucro do JPMorgan foi impactado por uma queda de 14 por cento na receita de transações de renda fixa, após ajustes para a venda do negócio de commodities físicas do banco e para mudanças na contabilidade.

O resultado do JPMorgan - o primeiro grande banco norte-americano a divulgar números trimestrais - é um indicador para o desempenho de seus concorrentes, que também estão lutando para se adaptarem a regras de trading mais rigorosas no rescaldo da crise financeira.   Continuação...

 
Sede do JPMorgan em Nova York. REUTERS/Mike Segar