Governo busca maneira para evitar que Lava Jato pare obras da Petrobras

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015 15:16 BRST
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O governo federal busca maneiras de evitar que os desdobramentos da operação Lava Jato paralisem obras da Petrobras, uma vez que muitas companhias investigadas pela Polícia Federal ainda têm contratos com a estatal, disse nesta sexta-feira o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga.

Em entrevista a jornalistas, no Rio de Janeiro, ele admitiu que vê um risco "muito sério" com a possibilidade de paralisação de obras, que poderia afetar o crescimento de produção da estatal.

Para Braga, um dos desafios importantes no momento é "encontrar uma regra de transição jurídica" para que a petroleira não seja prejudicada e não haja um prejuízo maior ainda para o país.

Depois de deflagrada a Operação Lava Jato, algumas obras tocadas por empresas citadas como suspeitas na investigação, como Iesa e Galvão Engenharia, foram interrompidas. As empresas se queixam de não receber pagamentos devidos da petroleira, que argumenta que as contratadas descumpriram contratos.

"Se não encontrarmos uma solução jurídica que não interrompa o ritmo de investimento em obras, o prejuízo será gigantesco, porque nós não teremos como substituir as empresas sem que as obras sejam paralisadas e desmobilizadas", afirmou.

Segundo Braga, a legislação brasileira tem soluções jurídicas para essa questão, como acordo de leniência, termo de ajustamento de conduta, dentre outras que podem ser encontradas.

Ele ressaltou que se, as obras atuais forem interrompidas por conta das investigações, a curva de produção projetada para a companhia não será alcançada.

Para ele, isso teria graves e sérios impactos para o programa energético brasileiro.   Continuação...

 
Prédio da Petrobras no centro do Rio de Janeiro. 16/12/2014 REUTERS/Sergio Moraes