FMI vê Brasil crescendo menos em 2015 e 2016, bem abaixo da América Latina

terça-feira, 20 de janeiro de 2015 11:00 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil crescerá menos de um quarto do que a América Latina e Caribe neste ano, e sua recuperação não será das melhores em 2016, informou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira.

Em atualização do seu relatório "Perspectiva Econômica Global", o FMI reduziu com força a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2015 em 1,1 por ponto percentual, a apenas 0,3 por cento.

O Fundo vê alguma recuperação no ano que vem, mas ainda assim também diminuiu suas contas para crescimento econômico a 1,5 por cento, contra 2,2 por cento anteriormente.

Para a América Latina e Caribe, as estimativas também foram reduzidas, mas ainda assim a perspectiva é de que a região cresça 1,3 por cento em 2015 e 2,3 por cento em 2016, 0,9 e 0,5 ponto percentual a menos que a projeção anterior.

Em relação a 2014, o FMI estima que o Brasil cresceu apenas 0,1 por cento, ante 0,3 por cento projetados em outubro.

Segundo o FMI, os preços menores do petróleo --que já perdeu metade de seu valor desde junho-- e de outros produtos vão impactar exportadores emergentes de commodities, como é o caso do Brasil, principalmente sobre o comércio e a receita real.

Ainda assim, em "muitas economias emergentes, o espaço de política macroeconômica para sustentar o crescimento permanece limitada. Mas em algumas, os preços menores do petróleo vão aliviar a pressão inflacionária e vulnerabilidades externas, permitindo assim aos bancos centrais não elevarem a taxa de juros ou elevá-las mais gradualmente", completou o FMI.

O Brasil vem enfrentando o difícil quadro de inflação elevada, que levou o Banco Central a iniciar novo ciclo de aperto monetário em outubro passado, mas com baixo crescimento e falta de confiança dos agentes econômicos diante do frágil quadro fiscal do país.

Por isso, a nova equipe econômica da presidente Dilma Rousseff já anunciou algumas medidas para tentar colocar as contas públicas em ordem.   Continuação...

 
REUTERS/Yuri Gripas