China cresce 7,4% em 2014, abaixo da meta e ritmo mais lento em 24 anos

terça-feira, 20 de janeiro de 2015 11:02 BRST
 

Por Kevin Yao e Pete Sweeney

PEQUIM (Reuters) - A economia da China cresceu no ritmo mais lento em 24 anos em 2014, com preços menores de propriedades e com companhias e governos locais enfrentando pesados fardos de dívida, o que mantém a pressão para que Pequim adote medidas agressivas para evitar uma desaceleração mais acentuada.

Para investidores preocupados com o crescimento da China e do mundo neste ano, os dados levantam duas perguntas:

Os números fracos e expectativas de mais fraqueza forçarão o banco central a injetar centenas de bilhões de dólares em todo o sistema bancário para incentivar o crescimento? Se a resposta for sim, o que isso significa para os esforços de Pequim para reformar sua economia?

A segunda maior economia do mundo cresceu 7,4 por cento em todo o ano de 2014, informou a Agência Nacional de Estatísticas nesta terça-feira, abaixo da meta de 7,5 por cento e marcando a expansão mais fraca desde 1990, quando o país foi afetado por sanções na esteira do massacre da praça da Paz Celestial. A economia havia crescido 7,7 por cento em 2013.

O crescimento no quarto trimestre permaneceu em 7,3 por cento na comparação com o ano anterior, levemente acima das expectativas.

Economistas consultados pela Reuters esperavam que o crescimento no quarto trimestre desacelerasse para 7,2 por cento ante 7,3 por cento no terceiro trimestre, atingindo o ritmo mais lento desde o primeiro trimestre de 2009, quando o crescimento desacelerou com força para 6,6 por cento.

Poucos esperavam que a China cumprisse a meta de 7,5 por cento para o ano, mas o desempenho foi melhor do que alguns temiam após alguns meses difíceis alimentarem preocupações com a possibilidade de a economia estar caminhando para uma desaceleração súbita.

"O período de crescimento miraculosamente veloz do país acabou, mas vamos superar isso", disse um comentário na agência oficial de notícias Xinhua, referindo-se ao longo período de expansão de dois dígitos.   Continuação...

 
REUTERS/Kim Kyung-Hoon