IPCA-15 sobe 0,89% em janeiro com alimentos e energia, e vai maior nível desde 2011

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015 10:06 BRST
 

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A prévia da inflação oficial acelerou a alta a 0,89 por cento em janeiro sob a força dos preços de alimentos e tarifas públicas, maior nível em quase quatro anos, no momento em que o governo lança uma ofensiva fiscal para retomar a confiança dos agentes econômicos.

Com isso, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) acumulou alta de 6,69 por cento em 12 meses até janeiro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, contra 6,46 por cento até dezembro e voltando a ficar acima do teto da meta do governo-- de 4,5 por cento pelo IPCA, com margem de 2 pontos percentuais para mais ou menos.

O resultado mensal foi o mais alto desde fevereiro de 2011, quanto subiu 0,97 por cento. Em 12 meses, a taxa igualou a vista em novembro daquele mesmo ano.

A alta de janeiro sobre dezembro ficou em linha com a expectativa em pesquisa da Reuters de 0,90 por cento, mas em 12 meses ficou abaixo da mediana esperada de 6,75 por cento.

Segundo o IBGE, o preço da carnes exerceu o maior impacto no mês, de 0,09 ponto percentual, ao subir 3,24 por cento. Assim, o grupo Alimentação e Bebidas foi o que registrou o maior avanço de preços, de 1,45 por cento, ante 0,94 por cento em dezembro, respondendo por 40 por cento do IPCA-15 do mês.

Energia elétrica foi o segundo maior peso individual, com 0,08 ponto percentual e alta de 2,60 por cento em janeiro, levando o grupo Habitação a registrar avanço de 1,23 por cento nos preços, sobre 0,71 por cento em dezembro.

As tarifas de ônibus urbanos também pesaram neste mês, com alta de 2,85 por cento e impacto de 0,07 ponto percentual no indicador.

A forte alta da inflação em 12 meses no início do ano já era esperada por analistas devido ao reajuste de preços administrados, sobretudo com energia elétrica e transportes.   Continuação...

 
Consumidores compram carne no mercado municipal de São Paulo. 10/10/2014 REUTERS/Nacho Doce