Bovespa perde mais de 1% pressionada por Vale e temores de racionamento

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015 18:17 BRST
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa caiu mais de 1 por cento nesta sexta-feira, após três ganhos consecutivos, refletindo temores de racionamento de energia e água no Brasil e pressionada pelas ações da mineradora Vale, que tiveram recomendação reduzida por um banco estrangeiro.

O Ibovespa perdeu 1,35 por cento, a 48.775 pontos, encerrando a semana com baixa acumulada de 0,49 por cento. O giro financeiro do pregão totalizou 5,6 bilhões de reais.

A queda das bolsas nos Estados Unidos, por resultados corportativos desapontadores, também pesou no desempenho da bolsa brasileira. Mas o principal apreensão no mercado doméstico veio da atual crise hídrica.

"Há uma preocupação geral com os setores de energia e água, ainda mais com o ministro (de Minas e Energia, Eduardo Braga) afirmando que se os reservatórios das hidrelétricas caírem abaixo do limite de 10 por cento, o país pode precisar de racionamento. Isso acaba prejudicando a economia como um todo", disse o operador da Renascença DTVM Luiz Roberto Monteiro.

Braga admitiu a chance de racionamento na véspera, embora tenha afirmado que o país ainda está longe disso.

A concessionária de saneamento do Estado de São Paulo, Sabesp, teve a maior queda do Ibovespa, de 11,65 por cento, diante de sinais de piora do cenário hídrico do país. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) previu nesta sexta que as chuvas que deverão chegar às represas da região Sudeste em janeiro sejam equivalentes a 43 por cento da média histórica.

O índice também foi pressionado pela Vale, após o Goldman Sachs reduzir a recomendação para os papéis da mineradora de compra para neutra, diante da piora em suas previsões para os preços do minério de ferro, do níquel e do cobre, que impactam o fluxo de caixa e os múltiplos da gigante brasileira. A preferencial da companhia na Bovespa caiu 5,32 por cento, enquanto a ADR recuava quase 10 por cento.

O Goldman cortou ainda o preço-alvo da ação da CSN de 4 para 3,80 reais, mantendo a recomendação de venda. Os papéis da empresa tiveram a terceira maior baixa do Ibovespa.   Continuação...

 
10/08/2011. REUTERS/Paulo Whitaker