Analistas não sabem o que esperar de resultado trimestral da Petrobras

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 17:59 BRST
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A expectativa no mercado para a possível divulgação, na terça-feira, do resultado não auditado da Petrobras do terceiro trimestre de 2014 é grande, mas analistas evitam comentar ou fazer previsões sobre o que pode ser divulgado.

Os números operacionais do período já são conhecidos, mas a publicação dos dados financeiros foi atrasada mais de uma vez devido à operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga um esquema de corrupção envolvendo a Petrobras.

"A gente não sabe nem o que falar, o que esperar, está todo mundo um pouco tenso com isso, mas espero que ele (balanço) saia e consigam acalmar os ânimos um pouco", afirmou a analista Mariana Bertone, da corretora GBM.

Embora muitos analistas procurados pela Reuters tenham preferido manter-se em silêncio, aguardando os desdobramentos do caso, os que aceitaram falar com a reportagem manifestaram incerteza e muita cautela.

O diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie), Adriano Pires, ressaltou que a publicação de números não auditados traz bastante dificuldade para os atuais executivos da petroleira. "Eles serão responsáveis por qualquer número que saia ali, não vão ter a cobertura da auditoria", frisou Pires.

Segundo informações da PF, de procuradores do Ministério Público e de delatores do caso, executivos da estatal indicados por partidos políticos conspiraram com empresas de engenharia e construção do país para sobrevalorizar refinarias, navios e outros bens e serviços da Petrobras. Os valores excedentes dos projetos teriam sido desviados para executivos, políticos e partidos.

No início do mês, a companhia disse que apresentará as demonstrações contábeis não auditadas ao Conselho de Administração em 27 de janeiro, e que a divulgação dos números nessa data dependerá de "resultado da reunião".

Também no começo de janeiro, a Reuters publicou que a Petrobras planeja contabilizar toda a esperada perda de bilhões de dólares decorrente do escândalo, segundo fonte com conhecimento direto do assunto.   Continuação...