Dilma defende punir corruptos sem destruir empresas privadas e Petrobras

terça-feira, 27 de janeiro de 2015 18:36 BRST
 

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta terça-feira a apuração e a punição com rigor de pessoas envolvidas em corrupção no caso que envolve a Petrobras, mas sem prejudicar a estatal, empresas privadas, a economia e a geração de empregos.

A petroleira está no centro de um esquema bilionário de corrupção investigado na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, com sobrepreço em contratos de obras e pagamento de propina a ex-funcionários da estatal, executivos de empreiteiras e políticos.

"Nós devemos punir as pessoas, não devemos destruir as empresas... As empresas são essenciais para o Brasil", disse a presidente na abertura da primeira reunião ministerial de seu segundo mandato, em Brasília.

Foi a primeira vez que a presidente saiu publicamente em defesa das empresas privadas. Até então, Dilma vinha se referindo apenas à Petrobras como estratégica ao país quando falava sobre o escândalo envolvendo a estatal.

"Ser capaz de punir a corrupção não pode significar a destruição de empresas privadas também", enfatizou a presidente.

Entre as 39 pessoas que já se tornaram réus como resultado da Lava Jato, 23 têm ligação com seis das principais empreiteiras do país: Camargo Corrêa, OAS, Galvão Engenharia, Engevix e UTC Engenharia.

Essas construtoras estão envolvidas, como sócias ou prestadoras de serviços, em praticamente todas as grandes obras de infraestrutura em andamento no Brasil, incluindo rodovias, aeroportos e hidrelétricas.

Fontes do governo federal disseram à Reuters em 19 de janeiro que o temor principal no caso das empreiteiras refere-se à limitação do acesso dessas empresas a crédito.

As principais agências de classificação de risco têm piorado as notas de crédito de companhias citadas na Lava Jato, o que na prática significa que veem um risco financeiro maior. Algumas das companhias estão avaliando a venda de ativos.   Continuação...

 
B27/01/2015. REUTERS/Ueslei Marcelino