Petrobras divulga balanço sem baixas contábeis por Lava Jato e ações desabam

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015 12:48 BRST
 

Por Gustavo Bonato e Marta Nogueira

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras divulgou seu esperado balanço não auditado do terceiro trimestre de 2014 na madrugada desta quarta-feira sem incluir baixas contábeis por denúncias de corrupção, frustrando expectativas de analistas e derrubando suas ações em 11 por cento.

A empresa, no epicentro da Operação Lava Jato da Polícia Federal que revelou esquema de sobrepreço em contratos, teve lucro de julho a setembro do ano passado de 3,1 bilhões de reais, redução de 38 por cento sobre o trimestre imediatamente anterior e queda de 9,1 por cento na comparação anual.

Apesar de não ter contabilizado a redução no valor de seus ativos, a Petrobras divulgou um cálculo sugerindo baixas contábeis potenciais de mais de 60 bilhões de reais relacionadas aos empreendimentos que são alvo de investigação.

A apresentação do balanço da estatal de julho a setembro deveria ter sido feita em novembro passado, mas foi adiada após o auditor PricewaterhouseCoopers se recusar a aprovar as contas devido às denúncias envolvendo a estatal e algumas das maiores empreiteiras do Brasil.

"Concluímos ser impraticável a exata quantificação destes valores indevidamente reconhecidos, dado que os pagamentos foram efetuados por fornecedores externos e não podem ser rastreados nos registros contábeis da companhia", disse a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, em comentários no balanço.

A empresa disse que tentou calcular as baixas contábeis em ativos envolvidos nas denúncias pela estimativa da diferença entre o valor justo e o valor contábil, e também a quantificação do sobrepreço decorrente de atos ilícitos a partir de informações, números e datas nos depoimentos à PF.

Cerca de um terço dos ativos da companhia, somando 188,4 bilhões de reais, passaram por avaliação, sendo a maior parte do trabalho feita por avaliadores independentes globais.

Segundo a Petrobras, o resultado das análises mostrou que parcela dos ativos está superavaliada em 88,6 bilhões de reais, enquanto outra está subavaliada em 27,2 bilhões de reais. Os valores indicam a necessidade de uma baixa contábil de 61,4 bilhões de reais.   Continuação...

 
17/12/2014. REUTERS/Ricardo Moraes