Construção da Refinaria do Nordeste da Petrobras pode ser atrasada, diz diretor

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015 20:59 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras está revisando o cronograma de construção das obras da Refinaria do Nordeste (Rnest), em Pernambuco, e do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), como um dos efeitos da Operação Lava Jato, disse nesta quinta-feira o diretor de Abastecimento da estatal, José Carlos Cosenza.

A Petrobras é peça-chave da Operação Lava Jato da Polícia Federal, segundo a qual executivos da estatal indicados por políticos conspiraram com empresas de engenharia e construção do país para sobrevalorizar obras entre 2004 e meados de 2012.

A primeira unidade (trem, no jargão do setor) de refino da Rnest entrou em operação em dezembro, mas ainda com sua capacidade limitada.

Já o segundo trem de refino estava previsto para entrar em operação em maio deste ano, mas Cosenza disse que pode ser atrasado.

“Estamos estudando nova data de entrada do trem dois, em funções dessas mudanças ... de empresas e também de mudanças do mercado”, afirmou o diretor, durante coletiva de imprensa.

Cada uma das unidades de refino da Rnest terá capacidade para processamento 115 mil barris de petróleo por dia, somando um total de 230 mil barris de capacidade diária.

O atraso acontece porque a Petrobras está tendo que reavaliar os contratos, já que foram fechados com empresas suspeitas de terem participado do suposto esquema de corrupção, investigado pela Polícia Federal.

O Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) passa por problema semelhante. Segundo Cosenza, a Petrobras está reavaliando o desenvolvimento da obra devido às denúncias.

(Por Marta Nogueira)