Fitch rebaixa Petrobras e coloca ratings em observação negativa

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015 18:12 BRST
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A agência de classificação de risco Fitch rebaixou nesta terça-feira os ratings da dívida da Petrobras em moeda estrangeira e local para "BBB-" ante "BBB", e simultaneamente colocou a petroleira em observação negativa, o que significa que um eventual novo downgrade pode ocorrer em um prazo de três a seis meses.

Se houver um novo corte na nota, a Petrobras passa para grau especulativo, já que a sua atual classificação é a mais baixa dentro do grau de investimento.

Na semana passada, outra importante agência de classificação, a Moody's, cortou os ratings da estatal, citando preocupações com investigações sobre corrupção e possível pressão sobre a liquidez da companhia em função de atraso na divulgação de resultados financeiros auditados.

Apesar do rebaixamento, as ações preferenciais da estatal fecharam nesta terça-feira com a maior alta percentual diária em 16 anos, de mais de 15 por cento, com um encontro entre a presidente da República, Dilma Rousseff, e a presidente-executiva da estatal, Maria das Graças Foster, reforçando as expectativas e rumores sobre uma troca no comando da empresa.

Segundo a Fitch, o rebaixamento dos ratings da Petrobras afeta cerca de 50 bilhões de dólares em dívidas da empresa.

"O rebaixamento reflete a crescente e prolongada incerteza sobre a capacidade da Petrobras de estimar e registrar ajustes em seus ativos fixos dentro do prazo necessário, o que permitiria a boa parte dos credores da empresa acelerar os pagamentos da dívida", afirmou a Fitch em nota.

As demonstrações financeiras da Petrobras relativas ao terceiro trimestre, divulgadas com atraso sem o aval do auditor externo na semana passada, embora permitam que a empresa atenda a obrigações estabelecidas em contratos de dívida (covenants), não incluíram nenhum ajuste nos ativos fixos, observou a Fitch.

"A ausência de clareza aumenta o receio de que a companhia não seja capaz de realizar os ajustes necessários para cumprir os covenants que exigem que ela reporte demonstrações financeiras auditadas de final de ano 120 dias após o término do período, com mais sessenta dias de carência", ressaltou a agência de classificação.   Continuação...