Dólar cai abaixo de R$2,70 com Petrobras e exterior

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015 17:11 BRST
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda nesta terça-feira e voltou abaixo de 2,70 reais, reagindo a notícias de que a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, poderia deixar o cargo e com o bom humor no exterior, após subir nas quatro sessões anteriores e fechar a véspera no maior patamar em mais de um mês.

O dólar recuou 0,78 por cento, a 2,6940 reais na venda, chegando a bater 2,6885 reais na mínima do dia. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 451 milhões de dólares.

"Com fatores internos e externos mais favoráveis, o real arranjou força para buscar de novo o (patamar de) 2,70 reais", disse o operador de câmbio da corretora B&T Marcos Trabbold.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o Palácio do Planalto substituirá a presidente da Petrobras porque considera sua posição "insustentável". Operadores afirmaram que a notícia aumentou a demanda de investidores estrangeiros pela ação da petroleira, com o papel ampliando a alta, mesmo após o governo negar a informação.

Além disso, a queda do dólar sobre moedas como o euro e os pesos chileno e mexicano contribuiu para o alívio aqui. O movimento refletia a maior demanda por ativos de risco em consequência de esperanças de acordo que resolva o impasse em torno da dívida da Grécia, além da forte alta dos preços do petróleo.

"Os mercados em todo o mundo estão animados. O efeito sobre o fluxo de estrangeiros para cá é visível", disse o gerente de câmbio do Banco Confidence, Felipe Pellegrini.

Apenas nas duas sessões anteriores, o dólar transformou a queda de 1,75 por cento que havia acumulado neste ano em alta de mais de 2 por cento. O movimento veio após o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmar que não há intenção de manter o câmbio sobrevalorizado, o que alimentou especulações de que o Banco Central poderia reduzir sua presença no mercado em breve.

Uma fonte da equipe econômica afirmou à Reuters nesta terça-feira que o BC não tem intenção de mudar o rumo de suas atuações no câmbio, pelo menos por enquanto, e mantém em aberto a possibilidade de estender suas intervenções diárias no mercado para além de março.   Continuação...

 
REUTERS/Gary Cameron    (UNITED STATES - Tags: BUSINESS POLITICS)