Telecom Italia espera sinalização do Brasil para negociar aquisição da Oi, dizem fontes

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015 12:34 BRST
 

MILÃO (Reuters) - A Telecom Italia vai aguardar um sinal verde do governo brasileiro antes de iniciar conversas para comprar a Oi, disseram duas pessoas com conhecimento do assunto à Reuters.

Após reuniões em Brasília com os ministros das Comunicações e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior na semana passada, o presidente-executivo da Telecom Italia, Marco Patuano, vai atualizar o conselho de administração do grupo italiano sobre a situação no Brasil durante encontro marcado para a quinta-feira. A reunião também servirá para revisão do novo plano estratégico do grupo.

Em novembro, a Telecom Italia pediu que Patuano examinasse a viabilidade da fusão da TIM Participações com a Oi para criar a maior operadora de telefonia do Brasil.

"Um sinal do governo (brasileiro) é necessário para começar quaisquer conversas diretas com a Oi", disse uma das fontes nesta quarta-feira. "Um fortalecimento da TIM é visto favoravelmente por autoridades, mas há questões importantes que ainda precisam ser resolvidas", acrescentou a outra fonte.

Representantes da Telecom Italia não quiseram comentar o assunto.

O governo brasileiro está atualmente ponderando questões regulatórias e de dívida e também está em conversas sobre licenças que podem durar até o meio do ano.

Na semana passada, uma fonte do governo a par do assunto afirmou à Reuters que o governo federal não tem preferências quanto ao formato de uma eventual consolidação do mercado de telecomunicações brasileiro e nem se opõe a uma possível redução do número de operadoras atuando no país.

Patuano disse também na semana passada, após encontro com o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, que o tema de consolidação do mercado brasileiro não foi tratado na conversa.

Após perder para a espanhola Telefónica a disputa pela operadora GVT no ano passado, a TIM continua sendo a única operadora no Brasil sem uma rede de telefonia fixa.   Continuação...