Duratex vê piora em desempenho operacional, prevê redução de investimentos em 2015

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015 10:47 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A empresa de insumos para a construção civil e marcenaria Duratex viu piora nos resultados operacionais do quarto trimestre e previu redução de 34,2 por cento dos investimentos em 2015 na comparação com o ano passado, citando a influência do atual quadro econômico.

No período de outubro a dezembro, o lucro líquido consolidado da companhia subiu 28,3 por cento sobre um ano antes, a 90,19 milhões de reais, beneficiado sobretudo por menor pagamento de impostos.

O lucro líquido recorrente, por sua vez, mostrou queda de 27,4 por cento nas mesmas bases, a 85,72 milhões de reais, na esteira de pior desempenho operacional no período.

A receita líquida no mercado interno, o mais representativo para a Duratex, caiu 3,5 por cento no trimestre ante igual período de 2013. No mercado externo, contudo, o crescimento de 181,6 por cento na mesma linha conseguiu fazer a empresa registrar aumento de 3,2 por cento nas vendas líquidas totais, a 1,04 bilhão de reais.

Apesar disso, a Duratex viu a geração de caixa medida pelo lucro antes de impostos, depreciação e amortização (Ebitda) cair 14,2 por cento sobre um ano antes, afetada por aumento nos custos dos produtos vendidos e nas despesas com vendas, gerais e administrativas.

Em comentário sobre o desempenho, a companhia afirmou que, em razão do quadro econômico atual, o investimento da ordem de 1,3 bilhão de reais para a construção de duas novas linhas de painéis, em Minas Gerais, encontra-se em revisão.

Para 2015, a companhia previu investimentos de cerca de 400 milhões de reais, patamar próximo ao de 2009, quando foi de 427 milhões de reais, e bem abaixo dos 607,9 milhões de reais investidos no ano passado.

Em apresentação a investidores, a Duratex assinalou que o investimento no ano será limitado à manutenção da operação, também afirmando que terá a redução de custos como foco.

Em dezembro, a companhia encerrou as atividades da planta de louças Jundiaí II, sua unidade mais antiga, redirecionando a produção para a recém-inaugurada planta de Queimados, buscando, com isso, maior eficiência de produção e custos menores.   Continuação...