Com Petrobras no radar, Bovespa fecha no vermelho após dia volátil

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015 18:24 BRST
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - Nos ajustes finais do pregão, a Bovespa virou para o território negativo, encerrando a sequência de alta da semana, com investidores na expectativa sobre quem comandará a Petrobras após a renúncia na véspera de praticamente toda a diretoria da estatal, incluindo a presidente-executiva.

O Ibovespa caiu 0,14 por cento, a 49.233 pontos. Na máxima, chegou a 49.816 pontos, em alta de 1 por cento e, no pior momento do dia, caiu 0,57 por cento, a 49.019 pontos. O volume financeiro da sessão somou 7,1 bilhões de reais.

Em um curto comunicado na véspera, a Petrobras disse que novos executivos serão eleitos na sexta-feira em reunião do Conselho de Administração.

O BTG Pactual disse em nota a clientes que o analista da casa Gustavo Gattass considera que a chance de ver algum "nome de peso" sendo confirmado na sexta não é tão alta assim.

Para Gattass, "na melhor das hipóteses", o novo presidente será alguém menos conhecido pelo mercado, mas com capacidade técnica de entregar uma boa execução e estratégia, e com isso ganhar confiança ao longo do tempo. A equipe do BTG escreveu que aproveitaria um rali das ações para realizar lucros.

As preferenciais da Petrobras caíram mais de 3 por cento nos primeiros negócios, recuperaram o fôlego ao longo do pregão, chegando a subir 2,69 por cento na máxima, mas terminaram o dia em queda de 2,2 por cento, a 9,80 reais. As ações ordinárias fecharam em baixa de 2,42 por cento.

Após alta significativa na véspera, os bancos Itaú Unibanco e Bradesco também pressionaram negativamente em razão da forte participação na composição do índice. Banco do Brasil, por sua vez, deu continuidade aos ganhos e subiu 2,2 por cento, chegando a limitar em parte do dia o efeito nocivo de seus pares privados.   Continuação...

 
07/10/2013. REUTERS/Nacho Doce