Mercado de trabalho dos EUA deve seguir firme apesar da economia desacelerando

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015 07:25 BRST
 

WASHINGTON (Reuters) - O crescimento do emprego nos Estados Unidos provavelmente manteve-se firme em janeiro, com recuperação dos salários, alimentando as expectativas de que os consumidores terão fôlego suficiente para sustentar a economia através de tempos difíceis.

A geração de emprego fora do setor agrícola provavelmente ficou em 234 mil no mês passado, depois de avançar 252 mil em dezembro, de acordo com pesquisa da Reuters com economistas. Seria o 12º mês seguido de ganhos acima de 200 mil postos de trabalho, a maior sequência desde 1994.

"Isso seria visto como um estímulo dado tudo o que está acontecendo no resto do mundo e que reforça a noção de que os gastos dos consumidores continuarão sendo um dos principais pilares de sustentação da economia dos Estados Unidos", disse o economista-chefe adjunto no TD Securities, em Nova York, Millan Mulraine.

A taxa de desemprego deve ter ficado estável na mínima de 6 anos e meio, a 5,6 por cento.

O Departamento do Trabalho divulgará seu relatório de emprego às 11h30 (horário de Brasília) nesta sexta-feira, uma semana depois de o Federal Reserve, banco central norte-americano, ter melhorado sua avaliação sobre o mercado de trabalho e a economia em geral.

Em janeiro, o salário médio por hora deve ter crescido 0,3 por cento, mais do que revertendo a queda surpreendente de 0,2 por cento em dezembro, a maior desde pelo menos 2006.