Premiê grego Tsipras contraria UE e recusa extensão de resgate

domingo, 8 de fevereiro de 2015 17:34 BRST
 

Por Deepa Babington e Renee Maltezou

ATENAS (Reuters) - O novo primeiro-ministro de esquerda grego, Alexis Tsipras, disse neste domingo que não aceitaria uma extensão do atual programa de resgate para a Grécia, contrariando líderes da União Europeia.

Tsipras disse que seu governo vai curar as "feridas" deixadas pela austeridade, disse que manterá as promessas de campanha de dar alimento e eletricidade àqueles que sofreram e restituirá funcionários públicos que haviam sido demitidos como parte das condições do programa de resgate econômico.

Em seu primeiro grande discurso ao Parlamento como primeiro-ministro, Tsipras disse que ainda está otimista de poder chegar a um acerto com os parceiros da UE sobre um novo pacto de dívida e acordo de transição.

"O resgate fracassou", disse. O novo governo não tem justificativa para pedir uma extensão ... porque não pode pedir uma extensão dos erros", disse.

O discurso de Tsipras será acompanhado de perto por líderes da União Europeia, que até então têm demonstrado pouca vontade de atender às demandas do novo premiê, temendo um retrocesso nas reformas fiscais e econômicas que credores internacionais exigiram em troca de cerca de 240 bilhões de euros de ajuda.

Os gregos foram gravemente atingidos pela austeridade que lhes foi imposta pela "troika", formada pelo Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional (FMI) e Comissão Europeia. O país está apenas saindo de anos de depressão econômica, mas cerca de um em cada quatro gregos está desempregado.

"A primeira prioridade deste governo ... é tratar das grandes feridas do programa de resgate, lutar contra a crise humanitária, como nós prometemos antes das eleições ", disse Tsipras.

O premiê afirmou ainda a principal batalha será contra a corrupção e prometeu combater o antigo problema da Grécia com a evasão fiscal.   Continuação...