Zona do euro e Grécia têm impasse e mercados se assustam

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015 15:46 BRST
 

Por Holger Hansen e Lefteris Papadimas

ATENAS/ISTAMBUL (Reuters) - O impasse entre a Grécia e seus parceiros da zona do euro se acirrou nesta segunda-feira, com o primeiro-ministro esquerdista Alexis Tsipras insistindo que seu país não estenderá o programa de resgate atrelado a reformas e a Alemanha afirmando que Atenas não receberá mais dinheiro sem esse programa.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, alertou os gregos de que não devem esperar que a zona do euro se curve às demandas de Tsipras em um crescente confronto que assustou os mercados financeiros e provocou pedidos dos Estados Unidos e do Canadá para que as partes tenham calma e encontrem uma solução conciliatória.

Intensificando a retórica, o ministro das Finanças da Grécia disse que a zona do euro poderia entrar em colapso "como um castelo de cartas" se Atenas for forçada a deixar o bloco monetário. Uma autoridade de finanças da Grécia disse não acreditar que Juncker, a chanceler alemã, Angela Merkel, ou a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, vão deixar a Grécia quebrar.

Tsipras apresentou no domingo planos para desmontar o "cruel" programa de austeridade da Grécia, descartou a extensão do resgate internacional de 240 bilhões de euros, que vence no fim deste mês, e prometeu buscar reparações da Alemanha pela Segunda Guerra Mundial.

Seu discurso ao parlamento assustou os mercados financeiros europeus e parceiros fora da zona do euro, derrubando as ações de bancos gregos a perto das mínimas históricas e impulsionando os rendimentos dos títulos soberanos gregos.

Visitando a Áustria nesta segunda-feira, Tsipras disse estar confiante sobre a possibilidade de chegar a um acordo com parceiros europeus nos próximos dias e renovou seus pedidos por um acordo "temporário" até junho para dar tempo às negociações sobre a reestruturação da dívida grega.

LIMITES   Continuação...

 
Painel eletrônico no hall de entrada da bolsa de valores de Atenas mostra cotações de ações 9/2/2015.  REUTERS/Alkis Konstantinidis