9 de Fevereiro de 2015 / às 23:24 / 3 anos atrás

Dilma defende que medidas de ajuste irão gerar resultados, diz ministro

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff fez nesta segunda-feira a defesa do plano de ajuste da economia em reunião com empresários, sindicalistas e representantes do governo, dizendo acreditar que as ações de restrição adotadas pelo seu governo irão apresentar resultados, segundo o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto.

“A presidente fez uma exposição sobre a visão dela sobre esse momento, expressando confiança de que o Brasil fará medidas de ajustes que vão proporcionar resultados num prazo razoavelmente curto” disse o ministro.

A avaliação da presidente foi feita durante a reunião de reinstalação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI). O Palácio do Planalto não divulgou uma lista com os nomes dos participantes do encontro desta segunda-feira em Brasília.

O governo enfrenta um momento difícil, com economia estagnada, inflação alta, escândalo de corrupção na Petrobras e forte restrição orçamentária. Reforçam esse quadro a crise hídrica e também um risco de racionamento de energia elétrica.

Ainda, uma pesquisa feita pelo Datafolha mostrou que a avaliação ótima/boa da presidente despencou de 42 por cento em dezembro para 23 por cento em fevereiro.

De acordo com Monteiro Neto, a presidente Dilma comentou que o país apresenta oportunidades de investimento.

Monteiro Neto acrescentou que, durante o encontro com empresários e sindicalistas, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, fez uma exposição sobre a situação energética do país, traçando um quadro “de confiança” em relação assegurando à oferta de energia nos próximos meses.

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÃO

Durante a reunião do CNDI, Monteiro Neto assegurou que em março será lançado o Plano Nacional de Exportação, programa destinado a alavancar a venda de produtos brasileiros no exterior, num momento em que o câmbio se mostra mais favorável a essas operações.

Ele citou entre as ações em estudo o programa Proex, dizendo que esse programa oferecerá a exportadores e importadores a equalização da taxa de juros de financiamento das operações de comércio exterior compatíveis com encargos similares adotados em outros países.

O ministro também fez a defesa do Reitegra, programa de créditos tributários sobre a receita com as vendas no exterior de produtos manufaturados.

Na avaliação dele, o atual nível do câmbio é amigável para as exportações, mas é necessário que haja estabilização das cotações real/dólar. “Uma trajetória de menor oscilação (no câmbio) é desejável para que setor exportador tenha previsibilidade.”

O dólar fechou a segunda-feira praticamente estável ante o real, mas continuou perto das máximas em mais de uma década após testar mais cedo o patamar de 2,80 reais.

O titular do Desenvolvimento defendeu, ainda, as linhas de crédito do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), oferecidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), mas disse que em momentos de restrição fiscal não tem como falar em novas desonerações tributárias.

Reportagem de Luciana Otoni

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below