BB Seguridade vê alta de até 22% no lucro de 2015

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 10:24 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia de seguros BB Seguridade, controlada pelo Banco do Brasil, estimou alta de até 22 por cento no lucro ajustado de 2015 após divulgar nesta terça-feira fortes resultados para o ano passado, na esteira de melhor desempenho operacional e financeiro.

No quarto trimestre, o lucro líquido da companhia subiu 26 por cento sobre um ano antes, a 1,14 bilhão de reais, ajudando a última linha do balanço a fechar 2014 com avanço de 40 por cento sobre 2013, a 3,5 bilhões de reais.

No fechado do ano, a coligada BB Mapfre SH1, responsável pelos ramos de vida, prestamista, rural e habitacional, teve alta de 31,3 por cento no lucro líquido, a 1,3 bilhão de reais.

Enquanto isso, Brasilprev, de previdência, e Brasilcap, de capitalização, registraram crescimento na mesma linha de 67,2 por cento e 75,2 por cento, respectivamente.

"Juntamente com a BB Corretora, cujo resultado apresentou crescimento de 42,2 por cento, essas companhias explicam em grande parte o crescimento dos resultados da BB Seguridade no exercício", disse a companhia em sua demonstração contábil.

Em termos ajustados, o lucro líquido de 2014 foi de 3,2 bilhões de reais. Para 2015, a BB Seguridade estimou que a cifra deverá subir até 22 por cento, ficando entre 3,6 bilhões e 3,9 bilhões de reais.

"Diante das expectativas para a economia brasileira e para o setor de seguros, a BB Seguridade pretende dar continuidade à estratégia de explorar as oportunidades advindas da baixa penetração do mercado de seguros no PIB, e em particular na atual base de clientes do Banco do Brasil", comentou a empresa sobre suas perspectivas futuras.

A companhia também afirmou que continuará "analisando e estudando a viabilidade de explorar novos nichos de clientes, produtos, serviços e canais de distribuição".

Para os prêmios emitidos pela BB Mapfre SH1, a companhia projetou alta de 15 a 21 por cento, ante aumento de 19 por cento em 2014. Já para as reservas PGBL e VGBL da Brasilprev, a estimativa foi de crescimento de 27 a 36 por cento, abaixo do avanço de 37,5 por cento registrado no ano passado.   Continuação...

 
Homem em frente filial do Banco do Brasil no Rio de Janeiro. 15/12/2014 REUTERS/Pilar Olivares