Governo estuda usar encargo para remunerar energia gerada por shoppings e indústrias--fontes

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 10:04 BRST
 

Por Leonardo Goy

BRASÍLIA, (Reuters) - O Encargo de Serviço de Sistemas (ESS), um dos encargos do setor elétrico pago via tarifa, pode ser usado para que o governo remunere shoppings e indústrias que aceitarem antecipar sua geração própria de energia para o início da tarde, disseram à Reuters duas fontes do governo a par do assunto.

A medida faz parte do conjunto de ações que deve ser apresentado entre quarta e quinta-feira à presidente Dilma Rousseff  para aumentar a oferta de geração de energia no país, reduzir os picos de consumo e fazer frente às restrições causadas pelo baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas.

Hoje, esses estabelecimentos que possuem geração própria costumam ligar seus equipamentos entre as 18h e as 21h, no chamado “horário de pico” do consumo. Mas o governo já identificou que, até por uma mudança de costumes, o horário de pico se deslocou para mais cedo, a partir das 14h, quando aumenta o uso de aparelhos como ar-condicionado.

Na semana passada, fontes do governo já haviam dito que estava em estudo deslocar, para mais cedo, a tarifa mais cara que hoje é cobrada pela energia da rede no horário de pico tradicional.

Além desse incentivo, pelo preço, para que os geradores próprios sejam acionados mais cedo, outra ideia proposta seria o governo comprar, usando recursos do ESS, a energia gerada mais cedo por essas grandes consumidores.

O ESS é um encargo usado para pagar a energia de termelétricas cujo custo é superior ao teto do Preço de Liquidação de Diferenças (PLD). A conta é paga via tarifa. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) está, atualmente, realizando uma audiência pública para ampliar o rateio dessa conta a todos os consumidores do sistema interligado.