Gastos da crise do setor elétrico terão efeitos de alta na tarifa até 2020

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015 18:56 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Os gastos relacionados à crise no setor elétrico atual diante do baixo nível dos reservatórios das represas, custos de energia, encargos e empréstimos para o setor deverão refletir-se em altas tarifas de energia até 2020, segundo consultorias.

O diretor da Thymos Energia, Ricardo Savoia, disse que de 2013 a 2015 a crise energética já gerou um custo de 115,7 bilhões de reais para o país, entre empréstimos com bancos para socorrer distribuidoras, pagamento de subsídios, encargos, entre outros.

Somente para recuperar os reservatórios das hidrelétricas já depreciados, seriam necessários gastos adicionais calculados em cerca de 85 bilhões de reais.

Ele calcula um aumento de 42 por cento no custo da energia para a indústria neste ano. As tarifas ainda deverão continuar altas nos anos seguintes, como efeito da crise no setor atual.

"Quando a gente compara 2020 com 2014, a tarifa ainda é 22 por cento maior", disse Savoia, em palestra no evento Energia e Cenários 2015, da Viex Americas, nesta quarta-feIra.

O consultor da LPS Consultoria Energética, Fernando Umbria, também considera que os efeitos de alta na tarifa serão duradouros, até 2020 ou 2021.

Ele estima que neste ano, consumidores da Eletropaulo, terão em média aumento de 68,15 por cento nas tarifas neste ano, considerando Bandeiras Tarifárias, reajuste tarifário extraordinário e reajuste anual de tarifas.

Para consumidores industriais atendidos pela empresa, a estimativa da LPS é de alta média de 82,5 por cento, e para os residenciais, de 62,5 por cento.

  Continuação...