ENTREVISTA-Bunge reduz fluxo de soja para China após superestimar demanda

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015 19:28 BRST
 

Por Tom Polansek

CHICAGO (Reuters) - A Bunge reduziu o volume de seus carregamentos de grãos de soja com destino à China, maior importador mundial da oleaginosa, depois de ter superestimado a demanda em projeções realizadas no fim do ano passado, disse o presidente-executivo da companhia, Soren Schroder, nesta quinta-feira.

A decisão de reduzir a escala dos embarques para o país mais populoso do mundo reflete o impacto da redução no ritmo do crescimento econômico chinês sobre uma das maiorias companhia do agronegócio no mundo.

A Bunge, uma das principais processadoras mundiais de grãos de soja, normalmente possui carregamentos contínuos de soja destinados à China a partir de países produtores como o Brasil, "como uma esteira rolante flutuante", disse Schroder.

No entanto, no fim de dezembro a companhia sofreu um prejuízo de 30 milhões de dólares com a queda no preço da soja estocada para ser enviada à China, que recuou a valores abaixo do pago pela Bunge na compra da commodity, disse Schroder.

A Bunge equivocadamente esperou por um aumento de demanda, acrescentou ele em uma entrevista após a companhia relatar resultados abaixo das expectativas no quarto trimestre de 2014.

"Estamos reduzindo progressivamente o tamanho do fornecimento que temos fluindo para a China, de modo a reduzir o risco da operação, para que não tenhamos coisas como as que acabaram de acontecer novamente", disse ele à Reuters.

A economia chinesa em arrefecimento --os 7,4 por cento de crescimento em 2014 foram a taxa mais baixa em 24 anos-- tem causado efeitos sobre os mercados globais, pois o país é o maior comprador do mundo de minério de ferro, cobre e soja, e segundo maior importador de petróleo, atrás apenas dos EUA.

A China importou 6,88 milhões de toneladas de soja no mês passado, abaixo do recorde estabelecido em dezembro mas acima das 5,9 milhões de toneladas importadas em janeiro do ano passado. A grande importação e uma demanda mais fraca têm resultado em baixas margens de lucro.   Continuação...