Consumo aparente de aço no Brasil em janeiro cai 4%, diz IABr

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015 12:49 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O uso de produtos siderúrgicos pelo Brasil em janeiro recuou na comparação anual, apesar do aumento na produção de aço do país para acima da média mensal de 2014, segundo dados do Instituto Aço Brasil (IABr), divulgados nesta quinta-feira.

O consumo aparente, indicador que mede a produção interna mais importações e exclui exportações, recuou 4 por cento sobre janeiro do ano passado, para cerca de 2 milhões de toneladas, informou a entidade.

O resultado veio com um crescimento de 22,5 por cento nas importações de aço bruto no período, a 381,3 mil toneladas, maior nível desde julho passado, ante um aumento da produção interna de 7,7 por cento, para 2,965 milhões de toneladas.

O volume de aço produzido no Brasil em janeiro ficou acima da média mensal do ano passado, de 2,829 milhões de toneladas, puxado pela alta de 10,4 por cento de laminados planos e de quase 34 por cento na produção de semi-acabados para vendas. Os laminados longos, porém, tiveram recuo de 11,7 por cento.

Contrastando com o aumento de produção, o consumo aparente recuou, ilustrado pela queda de 8,5 por cento do volume de aço vendido no Brasil em janeiro, a 1,61 milhão de toneladas, com recuos de 9,6 por cento em planos e de 7 por cento em longos, refletindo a estagnação da economia.

A divulgação dos números foi feita um dia após a Usiminas, maior produtora de aços planos do país, informar queda de 16 por cento nas vendas da liga do quarto trimestre ante o mesmo período de 2013.

Às 12h43, a ação da companhia caía 1,3 por cento, enquanto CSN mostrava estabilidade e Gerdau, maior produtora de aços longos do país, tinha queda de 2,8 por cento.

O IABr trabalha prevê alta de 4 por cento nas vendas de aço do Brasil em 2015, desempenho que não será bastante para recuperar a queda de 9 por cento sofrida em 2014.

(Por Alberto Alerigi Jr.)