Grécia prepara promessa de reformas após recuo do grupo do euro

domingo, 22 de fevereiro de 2015 12:49 BRT
 

Por George Georgiopoulos

ATENAS (Reuters) - O governo grego preparou medidas reformatórias, neste domingo, para garantir uma tábua de salvação financeira a parte da zona do euro, mas foi atacado por vender “ilusões” aos eleitores após não conseguir manter sua promessa para tirar o país de seu resgate internacional.

O primeiro-ministro de esquerda, Alexis Tsipras, insistiu que a Grécia alcançou um sucesso na negociação quando ministros das Finanças da zona do euro concordaram em estender o acordo de resgate por mais quatro meses, sendo que este veio com uma lista de reformas a partir de segunda-feira.

Os gregos reagiram com alívio, já que o tratado de sexta-feira evitou uma crise bancária, que a Irlanda, companheira da zona do euro, afirmou que poderia entrar em erupção nesta semana. Isso significa que Tsipras teve de fazer uma promessa, pelo menos: manter o país na zona do euro.

Tsipras tem o apoio da nação, apesar de ter encenado um recuo em Bruxelas. Segundo o acordo, a Grécia irá viver sob o resgate da União Europeia/FMI, do qual ele havia se comprometido a se livrar, e deve negociar um novo programa até o início do verão.

“Eu quero dizer um sincero obrigado aos gregos que apoiaram o governo... Essa foi a nossa mais poderosa arma de negociação”, declarou ele, no sábado. “A Grécia alcançou um importante sucesso na negociação na Europa.”

Líderes marxistas do partido de Tsipras, o Syriza, uma ampla coalizão de esquerda, até agora se mantiveram em silêncio a respeito das dolorosas concessões que foram feitas para conseguir um acordo com o grupo do euro.

Mas o veterano esquerdista Manolis Glezos atacou o fracasso em cumprir as promessas de campanha. “Eu me desculpo com o povo grego porque tomei parte nesta ilusão”, escreveu ele em seu blog. “Amigos e apoiadores do Syriza devem decidir se aceitam essa situação.”

Glezos, um membro do Syriza no Parlamento Europeu, não é um peso pesado do partido. Mas ele tem autoridade moral: como um jovem durante a ocupação na Segunda Guerra, ele escalou a Acrópole, tirou a bandeira nazista sob o nariz dos guardas alemães e hasteou a bandeira grega, o que fez dele um herói nacional.   Continuação...