Itaú nomeia executivos em movimento de sucessão de Setubal

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 22:05 BRT
 

Por Guillermo Parra-Bernal

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú Unibanco deu um passo em direção à sucessão do presidente-executivo Roberto Egydio Setubal nesta segunda-feira, ao indicar os executivos que irão liderar as unidades de varejo e atacado do maior banco em valor de mercado do Brasil.

De acordo com comunicado, o vice-presidente sênior Marco Bonomi irá liderar a unidade de varejo do banco, conhecida como DGV. Candido Bracher, chefe de atacado e da unidade de investment banking Itaú BBA, será responsável pelas operações de atacado do Itaú e asset management, sob a chamada divisão DGA.

As mudanças devem permitir que Setubal oriente uma suave transição na direção do banco que ele preside desde 1994. Ele é membro de uma das famílias controladoras do Itaú Unibanco - as outras duas famílias incluem os Villela e os Moreira Salles.

A reformulação da cadeia de comando do Itaú ocorre num momento em que o banco está atravessando um período de rentabilidade recorde e profunda transformação operacional. Ao longo dos últimos dois anos, o Itaú tem evitado o crescimento rápido e, em vez disso, optou por crescer com prudência nos segmentos de crédito de menor risco, aumentar as receitas de serviços, reduzir despesas e apertar os critérios de desembolso dos empréstimos.

Há dois anos, o Itaú anunciou um plano para alterar estatutos e preparar os acionistas para um processo de sucessão administrativa que pode durar quatro anos. Naquela época, Setubal concordou em renunciar à presidência do banco comercial Itaú Unibanco SA, enquanto se aproximava da idade para aposentadoria compulsória de 60 anos.

Como parte do plano, Setubal está programado para se aposentar como presidente do Itaú Unibanco Holding aos 62 anos, ou em cerca de dois anos.

NOVA ESTRUTURA   Continuação...

 
Clientes esperam para entrar na agência do banco Itaú no Rio de Janeiro. 29/01/2014 REUTERS/Sergio Moraes