Protesto de caminhoneiros afeta fluxo de mercadorias, exportações e colheita de soja

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 18:36 BRT
 

Por Gustavo Bonato e Marcelo Teixeira

SINOP/SÃO PAULO (Reuters) - Os protestos de caminhoneiros em importantes rodovias do país se espalharam nesta terça-feira, sétimo dia de manifestação, chegando ao Estado de São Paulo e restringindo a oferta de combustíveis e matérias-primas para a indústria de alimentos em diversos Estados e impactando a colheita e a exportação de produtos chaves do país, como a soja.

Postos e distribuidoras de combustíveis no interior do país, bem como indústrias de alimentos, como a BRF, estão sendo diretamente afetados pelos bloqueios dos caminhoneiros, que reivindicam menores custos com combustível e pagamento de impostos.

As manifestações, além de interromperem o transporte interno de mercadorias, estão impactando a chegada de produtos de exportação aos portos, com reflexo no mercado externo. Os contratos futuros da soja fecharam em alta de mais de 1 por cento nesta terça-feira na bolsa de Chicago, referência internacional para os preços da commodity, com operadores preocupados com a oferta do Brasil, líder global na exportação do grão em 2014.

No início da tarde, manifestantes bloquearam o acesso e a saída no porto de Santos, o principal do país e o mais importante para a exportação de soja, café, açúcar e suco de laranja do país, além de produtos manufaturados.

A ALL, maior operador ferroviário do país, informou que a paralisação de caminhoneiros está afetando as operações da empresa, devido à falta de produtos nos terminais.

Os protestos se espalharam nesta terça-feira para cerca de 70 pontos em estradas federais, em seis Estados (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais), segundo o último boletim Polícia Rodoviária. Mas há protestos também em rodovias estaduais, como no caso da Anchieta, que liga a Baixada Santista à região metropolitana de São Paulo.

Enquanto isso, a Justiça determinou a liberação de estradas federais bloqueadas por caminhoneiros no Rio Grande do Sul e Minas Gerais, informou a Advocacia-Geral da União nesta terça-feira.

As decisões pelo desbloqueio das estradas em Minas e no Rio Grande do Sul são as primeiras obtidas pela AGU, órgão responsável por defender os interesses do governo federal, que entrou com ações na Justiça para desbloquear rodovias em sete Estados.   Continuação...

 
Protesto de caminhoneiros na BR 381 em Betim, no Estado de Minas Gerais 24/02/2015.  REUTERS/Washington Alves