Protesto de caminhoneiros afeta fluxo de mercadorias, exportações e colheita de soja

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 21:06 BRT
 

Por Gustavo Bonato e Marcelo Teixeira

SINOP/SÃO PAULO (Reuters) - Os protestos de caminhoneiros em importantes rodovias do Brasil se espalharam nesta terça-feira, sétimo dia de manifestação, chegando ao Estado de São Paulo e restringindo a oferta de combustíveis e matérias primas para a indústria de alimentos em diversos Estados e impactando a colheita e a exportação de produtos chaves do país, como a soja.

O governo federal estima "graves prejuízos" em função das paralisações, e busca negociar com as lideranças do movimento para colocar um fim aos protestos, sem acenar positivamente para uma das principais reivindicações: a redução do preço do diesel.

Os protestos ocorrem em um momento em que o país vive uma situação delicada de ajuste da economia e em meio ao escândalo de corrupção na sua maior empresa estatal, a Petrobras.

O aumento do preço do diesel no fim do ano passado ocorreu após a estatal sofrer anos com a defasagem entre os preços internos e externos dos combustíveis. Em janeiro, os preços do diesel e da gasolina subiram novamente, por conta do aumento dos impostos.

"Não está na pauta do governo a redução do preço do diesel neste momento", disse a jornalistas o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, após reunião interna do governo para tratar da greve dos caminhoneiros.

Uma reunião entre empresários e caminhoneiros ocorrerá na quarta-feira, às 14h, no Ministério dos Transportes.

Postos e distribuidoras de combustíveis no interior do país, bem como indústrias de alimentos, como as gigantes BRF e JBS , estão sendo diretamente afetados pelos bloqueios dos caminhoneiros, que reivindicam também redução de impostos. As atividades em algumas unidades produtoras de carnes foram suspensas.

Com a baixa oferta de produtos importantes, o varejo tende a aumentar os preços dos produtos nas áreas de menor oferta.   Continuação...

 
Protesto de caminhoneiros na BR 381 em Betim, no Estado de Minas Gerais 24/02/2015.  REUTERS/Washington Alves