Sindicatos acusam McDonald's de evitar 1 bi de euros em impostos

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 16:23 BRT
 

LONDRES (Reuters) - Sindicatos de trabalhadores e uma organização beneficente acusaram a rede de fast food McDonald's de evitar o pagamento de cerca de 1 bilhão de euros (1,1 bilhão de dólares) em impostos entre 2009 e 2013, ao direcionar receitas através de uma unidade em Luxemburgo, e instaram a Comissão Europeia a investigar o caso.

A evasão fiscal por parte de empresas tornou-se um assunto político quente na Europa e o braço executivo da UE abriu investigações sobre acordos fiscais que alguns países fecharam com multinacionais, incluindo acordos entre Luxemburgo e a montadora Fiat e a varejista online Amazon.com.

Organizações que reúnem sindicatos que representam milhões de trabalhadores nos Estados Unidos e na Europa e a organização beneficente War on Want pediram à Comissão para expandir a investigação para incluir o McDonald's.

A Federação Europeia de Sindicatos de Serviços Públicos e o Sindicato Internacional de Trabalhadores de Serviços disseram que o McDonald's economizou em impostos ao determinar que unidades pagassem royalties dedutíveis equivalentes a 5 por cento do faturamento a uma subsidiária em Luxemburgo, que paga menos impostos.

Uma porta-voz do McDonald disse que a rede tinha cumprido todas as regras fiscais aplicáveis e que "além de pagar impostos sobre os lucros, nós pagamos impostos significativos em contribuições sociais dos empregados, impostos sobre a propriedade de imóveis e outros impostos exigidos por lei".

(Por Tom Bergin em Londres e Foo Yun Chee em Bruxelas)

 
29/01/ 2015  REUTERS/Mike Blake