Parlamentares alemães indicam que vão aprovar extensão do plano grego, apesar de receios

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015 10:22 BRT
 

Por Andreas Rinke

BERLIM (Reuters) - Parlamentares alemães sinalizaram que a prorrogação do programa de resgate da Grécia será aprovada por uma esmagadora maioria no Parlamento na sexta-feira, embora muitos devam fazê-lo com relutância por causa do receio de que o governo grego não cumpra suas promessas de reforma.

A coalizão da chanceler (primeira-ministra) Angela Merkel tem uma grande maioria suficiente para vencer com facilidade a votação na Câmara Baixa (Bundestag) da extensão do resgate por quatro meses. Mas muitos parlamentares, incluindo o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble, expressaram preocupação nos últimos dias sobre se o governo grego é confiável.

Numa votação teste nesta quinta-feira apenas 22 dos 311 legisladores do bloco conservador de Merkel, que inclui seu partido, o Democrata-Cristão (CDU) e uma formação-irmã da Baviera, a CSU, se opuseram à prorrogação e cinco se abstiveram.

O Partido Social Democrata (SPD), parceiro na coalizão, com 193 cadeiras, votou no teste por unanimidade pela extensão.

Como a previsão é que o oposicionista partido dos Verdes também endosse a proposta e a esquerda radical se divida, o voto pelo “sim” deve facilmente prevalecer na Câmara Baixa, de 631 lugares, e assegurar a maior votação favorável até agora no Parlamento alemão a um pacote de resgate da zona do euro. Ainda assim, muitos legisladores estão tapando o nariz.

"Estamos fazendo isso não por causa dos comentários grosseiros (da Grécia), mas porque é do interesse da Alemanha e da Europa", disse o Volker Kauder, líder parlamentar dos conservadores.

Schaeuble, que adotou uma posição dura com a Grécia, tem pressionado os parlamentares a apoiar a prorrogação, argumentando que o governo grego não está obtendo condições mais suaves, apenas mais tempo.

Mas, em uma demonstração de sua frustração com o acordo, ele disse aos conservadores, antes da votação teste desta quinta-feira, que a prorrogação poderá ser abandonada se Atenas não conseguir cumprir suas promessas e que os comentários do ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, haviam causado tensão na solidariedade europeia. O governo grego, eleito em janeiro, é liderado pela esquerda.   Continuação...

 
Vista da Câmara dos Deputados da Alemanha durante sessão em Berlim. 07/11/2014 REUTERS/Fabrizio Bensch