ENTREVISTA-Estácio estuda oferecer financiamento próprio para reduzir impacto de mudanças no Fies

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015 20:20 BRT
 

Por Juliana Schincariol

RIO DE JANEIRO (Reuters) - As incertezas sobre o cenário econômico e as mudanças ainda nebulosas no programa federal de financiamento estudantil promovidas pelo governo, o Fies, estão fazendo a Estácio Participações estudar oferecer financiamento próprio aos alunos.

"Se houver um aumento do desemprego e menos oferta de financiamento, isso sim pode gerar uma queda de demanda. Isso não significa perder massa crítica, acho que isso significa crescer menos", afirmou o presidente-executivo da Estácio, Rogério Melzi. Ele citou que a baixa taxa de penetração de alunos no ensino superior no Brasil entre os países da América Latina, mostra que a demanda ainda é alta.

O Brasil fechou mais de 80 mil vagas formais de trabalho em janeiro, no pior resultado para o mês desde 2009, indicando que o mercado de trabalho começou o ano com fraqueza.

Para driblar as mudanças em relação ao programa de financiamento estudantil do governo, uma das opções que a Estácio cogita é estruturar uma linha de crédito em parceria com alguma instituição financeira privada. Atualmente, isso existe apenas no ensino a distância, por meio do crédito universitário privado Pravaler.

"Nós da Estácio já estamos pensando do segundo semestre para frente. Vamos buscar alternativas sim", afirmou. No curto prazo ainda não há nada sendo feito, disse ele, que frisou que a dependência da companhia ao Fies não é alta.

"Até porque neste momento não conseguimos entender as mudanças com clareza. Fica difícil para fazer qualquer coisa como contrapartida", disse o executivo nesta sexta-feira.

O Fies ajudou a criar uma cultura de financiamento estudantil no Brasil que vai abrir espaço para que outros agentes financeiros possam se interessar por este mercado, disse o executivo. Ele acrescentou que as condições oferecidas pelo Fies reduziam a atratividade do setor privado neste mercado.

Segundo Melzi, de cada três novos alunos presenciais da Estácio, um se aplica para o Fies, e o número sobe para 40 por cento considerando o total de estudantes da instituição em 2014. Em 2013, o percentual era de 32 por cento.   Continuação...