McDonald's dos EUA eliminará carne do frango que recebeu antibiótico humano

quarta-feira, 4 de março de 2015 13:52 BRT
 

Por Lisa Baertlein e P.J. Huffstutter

(Reuters) - Restaurantes norte-americanos da rede McDonald's vão gradualmente parar de comprar carne de frango que recebeu antibióticos para combater infecções humanas, o passo mais agressivo por parte de uma grande empresa de alimentos para forçar avicultores a mudarem as práticas na luta contra superbactérias perigosas.

A maior cadeia de restaurantes do mundo anunciou nesta quarta-feira que dentro de dois anos o McDonald's dos EUA só vai comprar frango criado sem antibióticos.

A política do McDonald's começará no centro de incubação, onde às vezes os pintinhos recebem antibióticos ainda no ovo.

"Estamos ouvindo nossos clientes", disse a vice-presidente sênior da cadeia de abastecimento norte-americana do McDonald's, Marion Gross, à Reuters.

Ela disse que a empresa está trabalhando com seus fornecedores nacionais de frango, incluindo Tyson Foods (TSN.N: Cotações), para fazer a transição.

O uso veterinário de antibióticos é legal. No entanto, como a taxa de infecções humanas por bactérias resistentes aos antibióticos aumenta, os defensores dos consumidores e especialistas em saúde pública tornaram-se mais críticos da prática de dar rotineiramente antibióticos para frangos, bovinos e suínos.

Cientistas e especialistas em saúde pública dizem que, sempre que um antibiótico é administrado, ele mata as bactérias mais fracas e pode permitir que as mais fortes sobrevivam e se multipliquem. O risco, eles dizem, é que as superbactérias possam desenvolver resistência cruzada a importantes antibióticos.

O uso frequente de antibióticos em baixa dosagem, uma prática utilizada por alguns produtores de carne, pode intensificar o efeito.   Continuação...