Dólar fecha em alta após bater em R$3 durante a sessão, por preocupação com fiscal

quarta-feira, 4 de março de 2015 20:38 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subiu nesta quarta-feira e chegou a bater 3 reais pela primeira vez em mais de dez anos, embalado pela decisão do presidente do Senado de rejeitar Medida Provisória que trata de desonerações tributárias, dificultando ainda mais o ajuste das contas públicas brasileiras.

A moeda norte-americana avançou 1,80 por cento, a 2,9807 reais na venda, maior patamar de fechamento desde 19 de agosto de 2004, quando atingiu 2,987. Na máxima da sessão, o dólar atingiu 3,0010 reais, maior nível intradia desde 18 de agosto de 2004. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 2,3 bilhão de dólares.

A escalada desta sessão levou o JPMorgan a encerrar sua recomendação de apostar na queda do euro em relação ao real. "Reconhecemos os riscos de uma recomendação tática em meio a acentuado risco no caso de uma moeda que, no longo prazo, está supervalorizada", escreveram os analistas Diego Pereira e Holly Huffman em nota a clientes.

O gerente de câmbio da corretora BGC Liquidez, Francisco Carvalho, resumiu: "ninguém sabe onde vai parar, é uma barbárie".

Na noite passada, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) surpreendeu o Executivo ao rejeitar a medida provisória 669, argumentando que ela não cumpria preceitos constitucionais. Pouco depois, o governo enviou um projeto de lei com urgência constitucional assinado pela presidente Dilma Rousseff para substituir a MP.

A perspectiva de melhora da política fiscal vinha sendo uma luz no fim do túnel em meio ao cenário de contração econômica e inflação acima de 7 por cento neste ano. À medida que se torna mais difícil para o governo cortar seus gastos, a pressão cambial também se intensifica.

O banco BNP Paribas ressaltou em relatório nesta quarta-feira que o custo de seguro contra um calote brasileiro já condiz com uma eventual perda do grau de investimento do país.

"O dólar já estava em uma tendência de alta em função dos fundamentos deteriorados. Agora, há esse 'a mais', que é o cenário político conturbado dificultando a implementação do ajuste fiscal", disse o analista da WinTrade Bruno Gonçalves, que não tem expectativas de alívio no câmbio no curto prazo.

Com isso, cresce a ansiedade do mercado sobre o futuro do programa de intervenção do Banco Central no câmbio.   Continuação...

 
Casa de câmbio no Rio de Janeiro. 04/03/2015 REUTERS/Sergio Moraes