Caso de gripe aviária no Arkansas ameaça exportações de frango dos EUA

quinta-feira, 12 de março de 2015 09:05 BRT
 

CHICAGO (Reuters) - Um caso de gripe aviária confirmado na quarta-feira no coração da região de criação de aves dos Estados Unido deverá significar mais restrições às exportações do país, elevando a oferta interna e provavelmente forçando as maiores companhias avícolas do mundo a reduzir os preços de seus produtos.

O governo dos EUA anunciou a contaminação com o vírus altamente patogênico H5N2 em perus no Arkansas, Estado que abriga a sede da Tyson Foods (TSN.N: Cotações), uma das maiores processadoras globais de frangos.

O vírus, no entanto, não deverá matar aves nos EUA em quantidade suficiente para superar a queda na demanda internacional.

Haverá "mais produto no mercado doméstico e isso irá pressionar os preços", disse a economista Jessica Sampson, do Livestock Marketing Information Center.

As ações de produtores de aves Tyson, Pilgrim's Pride (PPC.O: Cotações) --uma divisão da brasileira JBS (JBSS3.SA: Cotações)--, e da Sanderson Farms (SAFM.O: Cotações) caíram na quarta-feira, com o preço das ações da Tyson atingindo o menor nível em cinco meses e o da Pilgrim's Pride recuando 9 por cento.

O Conselho de Exportações de Aves e Ovos dos EUA disse esperar que 30 a 40 novos países imponham restrições para a compra de aves e ovos do país, em um mercado de exportação que totaliza 5,7 bilhões de dólares anuais.

Novas restrições podem ser impostas pelo México, principal importador de frango dos EUA, que já está bloqueando importações de aves de Minnesota, Missouri e Califórnia devido à gripe aviária, disse o conselho.

Casos anteriores de gripe aviária em outros Estados levaram China e Coreia do Sul a impor, recentemente, restrições ainda em efeito às importações dos EUA.

Com o mercado de exportação já afetado pela força do dólar, "nós não precisamos nada mais para tornar as exportações ainda mais fracas", disse Mike Cockrell, diretor financeiro da Sanderson Farms.   Continuação...