Petrobras inicia sistema de produção antecipada no campo de Búzios

quinta-feira, 12 de março de 2015 12:13 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras iniciou a primeira produção de óleo e gás em larga escala e de longa duração na área da chamada Cessão Onerosa, no pré-sal da Bacia de Santos, por meio de um sistema de produção antecipada (SPA) no campo de Búzios, disse a petroleira nesta quinta-feira, em comunicado ao mercado.

O SPA, autorizado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) em dezembro, deve durar seis meses, previu a empresa, e terá como objetivo obter informações para o sistema de produção definitivo.

A produção será realizada por meio do navio plataforma Dynamic Producer, interligado ao poço 2-ANP-1-RJS, com extração média restringida em 15 mil barris de petróleo por dia.

Para o sistema definitivo, a Petrobras contratou a construção da plataforma P-74 no Brasil, com previsão de entrega para o próximo ano, de acordo com o plano de negócios mais recente. Atualmente, a unidade de produção está em fase final de conversão no estaleiro Inhaúma, no Rio de Janeiro.

Búzios é considerado pela petroleira e pela ANP o campo mais promissor da Cessão Onerosa, um contrato assinado pela Petrobras com a União para um conjunto de áreas, na época da última capitalização da estatal.

O contrato, conforme permitido por lei, autorizou a Petrobras a exercer, mediante pagamento à União, as atividades de pesquisa e produção de petróleo e gás natural nas áreas, até o limite de 5 bilhões de barris de óleo equivalente (petróleo e gás).

A declaração de comercialidade de Búzios (antigo Franco) foi anunciada pela Petrobras em dezembro de 2013. Na ocasião, a empresa informou que o volume contratado com o governo para a extração em Búzios, de 3,058 bilhões de barris de óleo equivalente, foi confirmado na fase exploratória.

Entretanto, a ANP estima que possa haver volumes excedentes na área entre 6,5 bilhões a 10 bilhões de barris equivalentes de petróleo. Os reservatórios do pré-sal, nesse campo, têm óleo de boa qualidade (entre 26 e 28 graus API).

O governo federal ainda discute como acontecerá a contratação dos volumes excedentes da área, após o Tribunal de Contas da União contestar a intenção da União de contratar diretamente a Petrobras.   Continuação...

 
Sede da Petrobras no Rio de Janeiro.  16/12/2014     REUTERS/Sergio Moraes