South32, cisão de US$13 bi da BHP, planeja abordagem cautelosa para crescer

terça-feira, 17 de março de 2015 11:15 BRT
 

MELBOURNE (Reuters) - A BHP Billiton incluiu muito menos dívida que o esperado na cisão de 13 bilhões de dólares da South32, posicionando a companhia formada a partir de seus ativos divididos para aguentar condições de mercado mais duras e ainda pagar um dividendo.

A maior mineradora do mundo publicou documentos nesta terça-feira detalhando o desempenho das minas e refinarias da South32, por muito tempo ofuscadas pelos negócios principais da BHP de minério de ferro, petróleo, cobre e carvão, antes de uma listagem planejada para maio.

A nova mineradora de tamanho médio planeja focar em cortar custos e concluir os projetos em seus negócios de alumínio, manganês, prata e carvão antes de avaliar novos investimentos, apesar de um forte balanço e um mercado repleto de ativos à venda.

"Realmente acreditamos no conceito de engatinhar, andar e correr", disse o presidente-executivo eleito da South32, Graham Kerr.

Batizada com o nome da linha latitudinal ligando seus dois principais centros, a Austrália e a África do Sul, a South32 teve receita pró-forma de 8,3 bilhões de dólares no ano até junho de 2014, respondendo por cerca de 12 por cento das receitas totais da BHP Billiton.

A South32 vai se separar da BHP com 674 milhões de dólares em dívida líquida, menos da metade do nível que analistas esperavam.

"Eles estão apenas tentando ser prudentes. Essa companhia está em alguns mercados bastante voláteis, então eles não queriam simplesmente alavancá-la demais", disse o analista da BT Investment Management Brenton Saunders.

Analistas avaliam a South32 em cerca de 13 bilhões de dólares, ou menos usando preços atuais fracos de commodities, em linha com que a companhia disse que era o valor contábil histórico dos ativos.

(Por Sonali Paul)