Kroton vai abrir menos turmas e ofertar financiamentos de curto e longo prazos

quinta-feira, 19 de março de 2015 14:40 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Kroton Educacional mantém seus planos de crescimento para os próximos anos, mas as mudanças nas regras do Fies farão a empresa abrir menos turmas e ofertar financiamentos de curto e longos prazos de forma a compensar os impactos das restrições federais ao programa de financiamento estudantil.

Segundo o presidente da companhia, Rodrigo Galindo, as mudanças nas regras do Fies limitaram o número de contratos de calouros neste primeiro semestre a cerca de um terço do total de 120 mil obtidos por estudantes clientes da Kroton em todo o ano de 2014.

O Ministério da Educação não informou oficialmente qual é o limite de concessão de financiamentos que está impondo aos ingressantes no Fies neste ano, mas os cálculos da Kroton apontam para que a empresa deve conseguir 40 mil novos contratos no primeiro semestre, disse Galindo.

Como forma de compensar essa limitação nas concessões, a companhia iniciou recentemente a oferta de "empréstimos-ponte" de um ano de duração para que os alunos não contemplados pelo Fies agora possam iniciar seus cursos. Depois de passado um ano, a Kroton espera poder oferecer um produto financeiro aos alunos para a conclusão de seus cursos.

No caso do empréstimo-ponte, os recursos são próprios da empresa e carregam juro zero e amortização de 10 por cento do valor da mensalidade. No caso do financiamento de longo prazo que a empresa pretende oferecer a partir do primeiro semestre do próximo ano recursos de terceiros poderão ser utilizados. A taxa de juros não foi definida ainda.

Galindo afirmou que a Kroton espera que novas vagas de Fies sejam oferecidas a calouros a partir do segundo semestre, período tradicionalmente menor de captação de alunos.

O executivo comentou em teleconferência com analistas que a empresa espera de queda de 5 por cento a estabilidade na captação de alunos presenciais no primeiro semestre deste ano ante o mesmo período de 2014. Já para a área de ensino à distância (EAD), a expectativa é de alta de 4 a 8 por cento na captação.

As ações da companhia, que chegaram a avançar mais cedo após a divulgação de fortes resultados de quarto trimestre, inverteram de sinal após os comentários do executivo aos analistas, recuando 2,45 por cento às 13h07.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

 
CEO da Kroton Educacional, Rodrigo Galindo, em São Paulo. REUTERS/Paulo Whitaker