S&P afirma rating do Brasil e mantém perspectiva estável por correção de rumo

segunda-feira, 23 de março de 2015 18:35 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A agência de classificação de risco Standard & Poor's afirmou o rating de longo prazo em moeda estrangeira do Brasil em "BBB-", apesar do cenário desafiador para país, e manteve a perspectiva estável, por conta da mudança de rumo na condução da política econômica no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

Segundo a agência, a perspectiva estável reflete a expectativa de que a politicamente difícil correção de rumo em curso continuará angariando apoio da presidente Dilma Rousseff, e, finalmente, do Congresso, e gradualmente irá restaurar a credibilidade política e abrir caminho para perspectivas de um crescimento mais forte nos próximos anos.

"Em uma reversão da política de seu primeiro mandato, a presidente encarregou sua equipe econômica de desenvolver um ajuste acentuado nas diferentes políticas - não só fiscal - para restaurar a credibilidade perdida e fortalecer os perfis fiscal e econômico do Brasil que agora estão mais fracos"", disse a agência, acrescentando que o rebaixamento da nota brasileira no ano passado já incorporava um cenário mais difícil este ano.

"O rebaixamento do Brasil em 2014 incorporou nossas expectativas por crescimento e trajetórias fiscais mais fracas do que em anos recentes, com o governo tendo menos espaço para manobras em meio a choques econômicos", disse a S&P, em nota.

A S&P avalia que levará algum tempo para se corrigir os efeitos das manobras fiscais "maiores que o esperado" feitas em 2014, em meio a um cenário de contração econômica que é agravado pelos efeitos da investigação de um esquema de corrupção na Petrobras.

No entanto, a S&P cita a mudança na condução da política econômica para fortalecer o compromisso com a política fiscal e remover diversas distorções econômicas, incluindo a repressão de preços administrados.

A expectativa da S&P para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2015 é de retração de 1 por cento, passando para crescimento de 2 por cento em 2016 e de 2,3 por cento em 2017. A retração prevista para este ano reflete o impacto dos apertos fiscal e monetário, uma queda no investimento da Petrobras e sua cadeia de fornecimento no setor de construção, e apoio limitado das exportações no curto prazo.

(Por Flavia Bohone)

 
Presidente Dilma Rousseff 19/03/2015. REUTERS/Ueslei Marcelino