Tombini ressalta papel importante de programa de swap, mas diz que estoque já atende demanda

terça-feira, 24 de março de 2015 15:33 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, avaliou nesta terça-feira que o programa de swap cambial tem papel importante em momento de normalização da política monetária nos Estados Unidos, mas reforçou que o estoque de derivativos cambiais ofertados até o momento já atende de forma significativa à demanda por proteção cambial da economia.

As falas do chefe da autoridade monetária, feitas durante audiência da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, despertaram a atenção de agentes do mercado, que buscavam pistas sobre a continuidade ou não das intervenções cambiais.

Criado para apaziguar a volatilidade provocada pela oscilação da moeda norte-americana, o programa de swap vigora desde agosto de 2013. No fim do ano passado, o BC anunciou que ele seria estendido até 31 de março, reduzindo a oferta da "ração" em leilões de swap a até 2 mil contratos, equivalentes a 100 milhões de dólares por dia.

Inicialmente, o programa oferecia 10 mil contratos de swaps cambiais diariamente, volume que já havia sido reduzido para 4 mil contratos em 2014.

Após autoridades do governo afirmarem que a recente escalada da moeda norte-americana não representava um descontrole e que a desvalorização do real daria impulso às exportações, muitos passaram a acreditar que o BC interromperia ou reduziria ainda mais as intervenções.

Contudo, em um ano para o qual as expectativas do mercado apontam em uníssono para a retração da economia há também a percepção de que uma mudança brusca no programa pode alimentar ainda mais a subida do dólar, com impacto sobre a inflação.

Depois de uma trégua nas duas sessões anteriores, a moeda norte-americana [BRBY] tinha uma sessão volátil nesta terça-feira. No ano, a divisa acumula alta de cerca de 18 por cento.

Durante a audiência, o presidente do BC afirmou que o volume ofertado até agora no âmbito do programa de swap é de 114 bilhões de dólares equivalentes, o que corresponde a aproximadamente trinta por cento das reservas internacionais do Brasil.

"Estamos confortáveis com essa posição, podemos mantê-la dez, 20 anos nesses níveis", afirmou ele.   Continuação...