Bolsas nos EUA recuam; ações de biotecnologia e semicondutores derrubam Nasdaq

quarta-feira, 25 de março de 2015 18:30 BRT
 

Por Chuck Mikolajczak

(Reuters) - As bolsas dos Estados Unidos fecharam em queda nesta quarta-feira, com o tombo dos setores de biotecnologia e tecnologia levando o Nasdaq a marcar seu maior declínio diário em quase um ano, enquanto o índice Standard & Poor's 500 recuou abaixo de níveis técnicos de suporte.

O índice Dow Jones recuou 1,62 por cento por cento, a 17.718 pontos, enquanto o S&P 500 teve perda de 1,46 por cento, para 2.061 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq caiu 2,37 por cento, para 4.876 pontos.

Ações de biotecnologia e semicondutores pesaram fortemente no Nasdaq, que teve a terceira sessão seguida de queda após fortes ganhos na semana passada.

O índice de ações de biotecnologia caiu 4,1 por cento na sessão, o maior recuo desde 23 de dezembro. O índice encerrou abaixo da média móvel de 14 dias pela primeira vez desde 11 de fevereiro e abaixo da média móvel de 50 dias pela primeira vez desde 17 de outubro.

O índice de semicondutores PHLX recuou 4,6 por cento, a maior queda percentual diária desde 10 de outubro e também ficou abaixo das médias móveis de 14 e 50 dias.

"Temos um pouco de adiamento do ponto de vista de dados, e a colheita de alguns dos excessos em alguns desses movimentos mais fortes é o que está ocorrendo", disse o gestor sênior de carteiras do U.S. Bank Wealth Management Eric Wiegand.

As perdas do S&P 500 aceleram por volta do meio da sessão, depois que o índice rompeu o nível de suporte técnico perto de 2.085 pontos e as vendas no fim da sessão pressionaram o índice abaixo da média móvel de 50 dias de cerca de 2.067 pontos.

Um dado mostrando queda nos pedidos de bens duráveis nos EUA empurrou o dólar para baixo, dando apoio inicial ao mercado acionário e aliviando os receios de que uma forte alta da moeda norte-americana pode prejudicar balanços corporativos.

As ações da Kraft Foods subiram 35,6 por cento, a 83,17 dólares, após um acordo de fusão com a H.J. Heinz Co, controlada pela 3G Capital e pela Berkshire Hathaway. A operação criará a Kraft Heinz Co, que terá ações negociadas em bolsa e será a terceira maior empresa de alimentos dos EUA. As ações classe B da Berkshire caíram 0,5 por cento, a 143,56 dólares.