Rombo fiscal aumenta em fevereiro e governo sinaliza forte contingenciamento

terça-feira, 31 de março de 2015 21:07 BRT
 

Por Luciana Otoni

BRASÍLIA (Reuters) - O setor público brasileiro registrou déficit primário de 2,3 bilhões de reais no mês passado, puxado pelo desempenho negativo do governo central e levando o resultado fiscal em 12 meses a registrar déficits recordes, em um cenário que ressalta a necessidade de um amplo contingenciamento dos gastos para a cumprimento da meta do ano.

Em 12 meses até fevereiro, o déficit primário foi de 35,8 bilhões de reais, ou o recorde de 0,69 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central nesta terça-feira.

Com isso, o déficit nominal, que incluiu os gastos com o pagamento dos juros da dívida pública, subiu para 380 bilhões de reais no mesmo período, equivalente ao patamar recorde de 7,34 por cento do PIB, quase 1 ponto percentual superior ao registrado nos 12 meses até janeiro.

A meta de superávit primário de 2015 é 66,3 bilhões de reais, correspondente a 1,2 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) para o setor público consolidado, um alvo considerado ambicioso após o Brasil ter registrado déficit primário de 0,64 por cento do PIB no ano passado e em meio ao forte efeito da economia fraca sobre a arrecadação federal.

"O contingenciamento terá o tamanho necessário para o cumprimento da meta, essa é uma sinalização importante", disse o secretário do Tesouro Nacional, Marcelo Saintive, sobre os cortes nos gastos do Orçamento que deverão ser anunciados nos próximos dias.

Nos dois primeiros meses do ano, o setor público consolidado registrou superávit primário de 18,8 bilhões de reais, ante 22 bilhões reais em igual período do ano anterior.

ESTADOS E MUNICÍPIOS NO AZUL   Continuação...

 
Sede do Banco Central, em Brasília. 15/01/2015   REUTERS/Ueslei Marcelino