A nova norma para o açúcar: real fraco reduz ponto de equilíbrio de usinas do Brasil

terça-feira, 31 de março de 2015 14:19 BRT
 

Por Chris Prentice

NOVA YORK (Reuters) - Más notícias para aqueles que apostam em um alta nos preços do açúcar: o mergulho do real reduziu em até 6 centavos por libra-peso o custo de produção para usineiros no Brasil, aumentando a pressão sobre os produtores rivais e potencialmente atrasando uma recuperação dos preços globais.

Nos últimos meses, o chamado "break-even" caiu para 11 centavos a 13 centavos de dólar por libra, em comparação com as estimativas anteriores de 17 centavos a 18 centavos de dólar, segundo operadores e analistas.

Essa queda rápida também tem amenizado problemas de margens diante dos preços baixos do produto.

Ela também representa uma nova realidade no mercado de açúcar, com a moeda do Brasil pairando perto de seu nível mais fraco em relação ao dólar desde 2003.

O açúcar bruto na ICE Futures rompeu o nível de 12 centavos por libra-peso, pela primeira vez em seis anos, na segunda-feira, e registrou uma nova mínima do período de 11,91 centavos de dólar nesta terça-feira.

A commodity já caiu mais de 14 por cento em março, e o mercado está no caminho de fechar seu pior mês em quase três anos.

Ainda assim os preços tendem a ficar baixos por mais algum tempo até que os agricultores mudem para outras culturas e usineiros limitem a moagem no Brasil.

Tem havido uma crescente "estreita correlação" com o real, disse Michael McDougall, diretor sênior da mesa do Brasil na Societe Generale, em Nova York.   Continuação...